O consumo intenso de álcool altera a excitabilidade cortical e a conectividade funcional no cérebro
 

O uso prolongado de álcool a longo prazo na adolescência altera a excitabilidade cortical e a conectividade funcional no cérebro, de acordo com um novo estudo da Universidade da Finlândia Oriental e do Hospital Universitário Kuopio. Essas alterações foram observadas em adolescentes fisicamente e mentalmente saudáveis, mas que bebem de forma excessiva, que mesmo assim, não preenchiam os critérios de diagnósticos para distúrbios de abuso de substâncias. As descobertas foram publicadas na Addiction Biology.
 

Constituindo parte do “Estudo sobre Adolescentes e Álcool”, o estudo analisou os efeitos do consumo excessivo de álcool na atividade elétrica e excitabilidade do córtex. O estudo fez um acompanhamento de 27 adolescentes que tinham bebido em excesso ao longo da adolescência, bem como em 25 adolescentes com correspondência na idade, gênero e educação controles com pouco ou nenhum uso de álcool. Os participantes tinham de 13 a 18 anos de idade no início do estudo.
 

Na idade de 23 a 28, a atividade cerebral dos participantes foi analisada usando estimulação magnética transcraniana (EMT) combinada com o registro simultâneo de eletroencefalograma (EEG). Na EMT, pulsos magnéticos são dirigidos na cabeça para ativar células neuronais corticais. Esses pulsos magnéticos passam pelo crânio e outros tecidos, e são seguros e sem dor para a pessoa que é submetida a EMT. O método permite uma análise de como diferentes regiões do córtex respondem à estimulação elétrica e quais são as conectividades funcionais entre as diferentes regiões. Indiretamente, o método também torna possível analisar a transmissão química, isto é, a função mediadora. Os efeitos do uso prolongado de álcool não foram estudados entre os adolescentes dessa forma antes.
 

A resposta cortical ao pulso de EMT foi mais forte entre os usuários de álcool. Eles demonstraram maior atividade elétrica geral no córtex, bem como maior atividade associada ao ácido gama-aminobutírico, GABA, sistema de neurotransmissão. Houve também diferenças entre os grupos em como esta atividade se espalhou para as diferentes regiões do cérebro. Pesquisas anteriores mostraram que a longo prazo, o uso de álcool no nível de alcoolismo altera a função do sistema de neurotransmissão GABA. GABA é o neurotransmissor mais importante que inibe o cérebro e a função do sistema nervoso central, e o GABA é conhecido por desempenhar um papel na ansiedade, depressão e patogênese de vários distúrbios neurológicos.
 

O estudo constatou que o uso de álcool causou alterações significativas na neurotransmissão elétrica e química entre os participantes do estudo, embora nenhum deles preenchessem os critérios de diagnósticos de um transtorno de abuso de substâncias. Além disso, num estudo anterior realizado na Universidade da Finlândia Oriental, também dentro do Estudo de Adolescentes e Álcool, o afinamento cortical foi observado em jovens que haviam bebido de forma excessiva ao longo de sua adolescência. Para os jovens cujo cérebro ainda está em desenvolvimento, o uso intenso de álcool é especialmente prejudicial. Os resultados do estudo justificam a questão de saber se os critérios de diagnósticos para os distúrbios de abuso de substâncias devem ser mais rígidos para os adolescentes, e se eles devem ser mais facilmente encaminhados ao tratamento. O uso de álcool pode ser mais prejudicial para um cérebro em desenvolvimento do que se pensava anteriormente, embora leve tempo para que os efeitos adversos relacionados ao álcool se manifestem na vida de uma pessoa.
 

Fonte: Universidade da Finlândia Oriental
(Tradução livre do texto original em inglês do site News Medical)

Deixe um Comentário