brain-hands

Estimulação Magnética Transcraniana: a EMT é segura?

Por Rhalou Allerhand
 

Tudo o que você precisa saber sobre a Estimulação Magnética Transcraniana, um tratamento livre de medicamentos para problemas comuns em saúde mental.
 

Em 2015, desde que a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) foi aprovada pelas diretrizes do Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE), tornou-se uma opção de tratamento cada vez mais popular para pessoas que sofrem de problemas mentais ou dependência.
 

Mas o que exatamente é a EMT e se é segura? Conversamos com Chloe Ward, técnica do Smart EMT e com a psicóloga Dra. Vanessa Moulton sobre a eficácia desse procedimento inovador.
 

O que é EMT?

A EMT é uma forma de neuroestimulação que utiliza efetivamente campos magnéticos pulsantes para ativar ou suprimir os centros do cérebro associados a vários distúrbios médicos e psiquiátricos.
 

“É um procedimento não invasivo, o que significa que o procedimento não requer cirurgia ou anestesia, de modo que o paciente permaneça acordado e alerta durante a sessão de tratamento”, diz Ward. “A EMT foi inventada na Universidade de Southampton na década de 1980 e tem sido objeto de pesquisa médica ativa para uma variedade de condições desde então”.
 

Como a EMT funciona?

A EMT funciona essencialmente através da entrega de impulsos magnéticos através de uma bobina contra o couro cabeludo. “Os pulsos magnéticos induzem uma corrente elétrica nas células nervosas”, explica Ward. “A EMT pode fornecer pulsos de baixa frequência a 1 Hertz para reduzir a atividade das células cerebrais ou pulsos de alta frequência a 10 Hertz para aumentar a atividade cerebral”.
 

“A condição da depressão, por exemplo, resulta em atividade reduzida no cérebro e a área afetada é o lobo frontal esquerdo”, acrescenta Ward. “Para o tratamento da depressão, à medida que a atividade cerebral é reduzida, a EMT visa aliviar os sintomas depressivos usando pulsos de alta frequência em 10 Hertz, aumentando assim a atividade cerebral. Varreduras cerebrais mostraram que, depois de terem sido tratadas para depressão com EMT, as pessoas desenvolveram conexões aumentadas entre as células do cérebro e aumentaram os hormônios dos neurotransmissores.
 

A EMT funciona fornecendo pulsos magnéticos por meio de uma bobina contra o couro cabeludo.
 

“No caso de ansiedade, o lobo frontal direito é superativo, portanto, a EMT visa reduzir essa atividade, fornecendo um pulso de baixa frequência (1 Hertz) para diminuir a atividade”, explica Ward. A EMT envolve mais de uma sessão: é provável que, para a depressão, uma prescrição inicial seja em torno de 15 sessões, então uma revisão com o médico designado do paciente será organizada para verificar se o paciente necessita de mais algum tratamento. Devido à reestruturação que ocorre no cérebro através das vias neurais, à medida que cada sessão é completada, mais estruturadas essas vias se tornam.
 

“Um tratamento completo para a depressão tem em torno de 30 sessões”, acrescenta ela. “A área exata aonde a bobina de EMT é posicionada é localizada por um sistema de mapeamento de eletroencefalograma (EEG) e através de extensa pesquisa das áreas que estão relacionadas com tal condição”.
 

Onde se encontra a EMT?

Atualmente, o tratamento de EMT “é aplicado, principalmente, através de organizações privadas”, diz Ward. “Para a maioria das organizações privadas, você não precisará de um médico de clínica geral ou de um psicólogo e pode contatá-los diretamente para obter informações sobre uma consulta”.
 

Quem pode fazer?

Ward recomenda que a EMT esteja disponível a pacientes com idade acima de 18 anos, incluindo as seguintes condições:

  • Depressão
  • Depressão pós-Natal
  • Transtorno Bipolar
  • Transtorno Afetivo Sazonal (SAD)
  • Transtorno de personalidade Borderline
  • Ansiedade generalizada
  • Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)
  • Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT)
  • Transtorno de despersonalização
  • Dependência de álcool
  • Vício em cocaína
  • Dependência de metanfetamina
  • Dependência de nicotina
  • Vício em jogo

Alguém deveria evitar a EMT?

Assim como acontece com a maioria dos procedimentos, “existem algumas contraindicações que podem significar que os pacientes são incapazes de passar por tratamento de EMT, como implantes ferromagnéticos (quaisquer metais ferromagnéticos dentro de 30 cm da localização da bobina), implantes cocleares e implantes dentários feitos de material magneticamente sensível e localizados no lado da estimulação são uma contraindicação absoluta”, diz Ward.
 

“Durante sua avaliação inicial, um profissional treinado fará uma triagem médica e identificará se a EMT é segura para você”.
 

A EMT é um tratamento eficaz?

Perguntamos à psicóloga Vanessa Moulton, por seu veredicto sobre esse procedimento relativamente novo. “Eu diria que agora existem evidências suficientes para sugerir que a EMT pode potencialmente ter um impacto benéfico em uma série de transtornos mentais, e por esse motivo teve a aprovação do NICE”, diz Moulton.
 

“Há também uma exigência, como é o caso de todo tipo de tratamento baseado em evidências, para obter mais resultados a longo prazo e evidências sobre a capacidade de um indivíduo de manter qualquer progresso que tenha feito após o término do tratamento”.
 

Existem agora evidencias suficientes para sugerir que a EMT pode potencialmente ter um impacto benéfico em uma série de distúrbios

“Mas minha posição é que, se alguém está lutando com sua saúde mental, eles também devem ter a oportunidade de entender e explorar como sua interpretação de si mesmos, dos outros e do mundo contribui para seus sintomas”, acrescenta Moulton. “Isso permitirá que adotem maneiras flexíveis e novas maneiras saudáveis de pensar e de se comportar após o término do tratamento, o que contribuirá para um plano de manutenção de longo prazo”.
 

“Também, como qualquer tipo de tratamento, um tamanho não serve para todos, então quanto mais escolha o indivíduo tiver em relação às diferentes opções de tratamentos baseados em evidências disponíveis, melhor”, explica Moulton. “Alguns indivíduos podem ter problemas com protocolos baseados fisicamente, e outras pessoas podem se esforçar para se abrir e falar com alguém”.
 

“É por isso que recomendo que qualquer EMT seja acompanhada por algum nível de psicoterapia baseada em evidências para apoiar o indivíduo com ferramentas de manutenção que possam ser usadas após o tratamento”.
 

Há algum efeito colateral?

A EMT vem com alguns efeitos colaterais mínimos. “O efeito colateral mais comum que ocorre em aproximadamente um em cada 10 pacientes é um ligeiro desconforto no couro cabeludo durante a primeira sessão, devido ao tratamento ser novo para eles”, explica Ward.
 

Cerca de cinco por cento dos pacientes experimentam uma leve dor de cabeça após o tratamento, mas isso é facilmente tratado com paracetamol. Outros efeitos colaterais são raros e são geralmente leves e transitórios; após as sessões de tratamento, os pacientes podem voltar ao trabalho e dirigir com segurança.
 

“Há um pequeno risco de convulsão que ocorre em uma em 30.000 sessões. Esse é o mesmo risco que ocorre com o uso de medicamentos antidepressivos”, ela acrescenta. O tratamento com EMT não danifica o cérebro nem piora os sintomas de depressão e ansiedade.
 

  • Chloe Ward é técnica de uma clínica de saúde mental especializada em Estimulação Magnética Transcraniana na Inglaterra.
  • Dr. Vanessa Moulton é Psicóloga e Diretora fundadora de clínica especializada em Psicoterapia

Tradução livre e adaptação do texto original em inglês do site Netdoctor
Publicado em 04 de fevereiro de 2019.
 
 
 

Deixe um Comentário