emt

O quão eficaz é a Estimulação Magnética Transcraniana no tratamento da dor de cabeça?

Por Brandon May
 

Existe evidência de nível moderado para apoiar a estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr) como uma terapia potencialmente eficaz para reduzir a intensidade da frequência de cefaleia, duração, depressão, uso de medicação e comprometimento funcional em pessoas com distúrbios de cefaleia. Isso está de acordo com os resultados de uma revisão sistemática publicada na Headache.
 

Pesquisadores independentes revisaram a literatura publicada de estudos de coorte, caso-controle e ensaios clínicos randomizados que incluíram participantes adultos até 65 anos com dores de cabeça primárias ou secundárias. Os ensaios selecionados incluíram EMT e estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC), bem como intervenções simuladas (estimulação placebo) ou alternativas de tratamento padrão como comparadores. Devido à heterogeneidade entre os métodos de estudo e os participantes, os pesquisadores realizaram uma síntese estruturada dos dados. Os desfechos primários incluíram frequência de cefaleia e taxa de resposta, enquanto os desfechos secundários incluíram duração da dor de cabeça, intensidade da dor, depressão, ansiedade, comprometimento funcional, uso de fármacos e qualidade de vida.
 

Os estudos incluídos na revisão examinaram a eficácia da EMTr – Estimulação magnética transcraniana repetitiva (n = 16), EMT – Estimulação magnética transcraniana (n = 6) e ETCC (n = 12), e a maioria dos estudos investigou o impacto desses tratamentos na enxaqueca.
 

Um estudo que expôs 11 participantes a 12 sessões de EMTr encontrou interações significativas de Tratamento × Tempo por frequência de ataque (P <0,0002), número de fármacos (P <0,0001) e índice de dor de cabeça (P <0,0001). Alterações notáveis foram observadas no seguimento de dois meses no número de ataques por mês (-13 ataques / mês [EMT] vs -1,8 [placebo]; média de Cohen d = 2,15), número de medicamentos (20 comprimidos / mês [EMT] vs 1,4 [placebo]; Cohen's d = 1,84), índice de dor de cabeça (36 [EMT] vs 4,8 [placebo]; Cohen's d = 2,09).   Outro estudo encontrou uma redução> 50% significativa na frequência de cefaleia e no escore da escala analógica visual (VAS) entre os participantes que receberam EMTr vs controle sham no acompanhamento de um mês [78,7% vs 33,3%, respectivamente; razão de chances [OR] 7,4; IC 95%, 2,95-18,59; P = 0,0001) e escore EVA (76,6% vs 27,1%, respectivamente; OR 8,81; IC95%, 3,48-22,29; P = 0,0001).
 

A falta de uma síntese quantitativa completa dos dados, bem como a falta de protocolos de alocação de tratamento ocultos em alguns estudos, representam limitações da revisão.
 

“Além de seu perfil de efeitos colaterais suaves”, os pesquisadores explicaram, ”essas tecnologias de Estimulação magnética transcraniana [EMT] poderiam ser benéficas em pacientes que são resistentes ao tratamento convencional ou aqueles com contraindicações para o tratamento farmacológico oral”.
 

Referência:
Stilling JM, Monchi O, Amoozegar F, Debert CT. Transcranial magnetic and direct current stimulation (TMS/tDCS) for the treatment of headache: a systematic review. Headache. 2019;59(3):339-357.
 

Tradução livre e adaptação do texto original em inglês do site Neurology Advisor
Publicado em 20 de março de 2019
 
 
 

Deixe um Comentário